sábado, 4 de junho de 2011

Self-love.

Amor próprio é aquela pontada que a gente sente no peito, como se a nossa consciência implorasse silenciosamente para que parássemos de insistir naquilo que não nos levará a lugar algum. E a gente insiste em tentar seguir em frente em ruas sem saída. A única solução é voltar. Voltar e trilhar um novo caminho. Uma nova tentativa. É aquele nó que se forma em nossa garganta, nos impedindo de chorar, porque as lágrimas deterioram toda nossa superfície supostamente forte, e a gente se expõem, numa fragilidade incontestável. É quando a gente se abraça, tentando encontrar um ponto de fuga de pensamentos melancólicos e doloridos, procurando no Amanhã a cura para o Ontem e o alívio para o Hoje, com pensamentos de “Isso vai passar.”

Nós sentimos um prazer amargo na auto-tortura; Pisamos sobre cacos de vidro. Sobre aquilo que se quebrou e não pode ser consertado. Naquilo que machuca incessantemente. A dor afiada perfura nossa pele e parecemos amar nos sentir sangrando.

E quando isso acontece, é sinal de que a dor está partindo seu amor próprio em pedaços e parece ser quase impossível juntá-los. Mas a gente sempre junta. A gente sempre escapa de ruas sem saída. A gente sempre para de pisar em cacos. A gente sempre cicatriza o ontem.

É tudo uma questão de tempo, porque ele transforma os cacos em grama verde. Abre caminhos paralelos à ruas sem saída, ele transforma o ontem em breves lembranças vagas...

Mas as feridas ele não cura, apenas as enfraquece.

Um comentário:

Emiiile disse...

Lindo seu blog, to seguindo.